Luminárias LED nos Municípios: Quais as Vantagens? – Quark Engenharia

Luminárias LED nos municípios: quais as vantagens? - Quark Engenharia

Fonte: Gazeta do Povo

A iluminação pública é fundamental para o município, seja para colaborar na segurança ou para oferecer conforto à população, no entanto, os custos de implantação e manutenção podem ser bastantes altos.

O poder público, em contrapartida, busca soluções que possam diminuir os custos e aumentar a qualidade dos serviços prestados e da população.

O desenvolvimento da tecnologia tem oportunizado mudanças no consumo e nos equipamentos, isso faz com que os custos sejam diminuídos. A área da iluminação é uma das contempladas, com as luminárias LED.

Nesse post, vamos apresentar as vantagens de utilizar esse tipo de luminária nos municípios. Continue lendo e confira!

O histórico da iluminação pública

A Constituição Federal delega que a iluminação pública é de responsabilidade dos municípios.

As prefeituras podem terceirizar a manutenção e implantação desses serviços, mas, para efeito de lei, são os municípios que respondem pela iluminação pública.

No entanto, nem sempre foi assim, a história da iluminação pública começou no final do  século XVIII, quando o Brasil ainda era uma colônia de Portugal.

A cidade do Rio de Janeiro teve a implantação do seu sistema de iluminação pública no ano de 1794, foi a primeira cidade do Brasil a possuir esse tipo de serviço.

Ele funcionava a base de lamparinas, onde o combustível era feito de óleo de baleia.

A primeira cidade a receber a iluminação pública a partir da energia elétrica foi a cidade de Campos dos Goytacazes, no norte do estado do Rio de Janeiro, em função de uma usina termoelétrica instalada no município, isso em 1883.

O avanço da tecnologia para a iluminação pública

A iluminação pública no Brasil passou por diversas fases, podemos dividi-las pelas tecnologias adotadas para a prestação dos serviços.

  • Final do século XVIII até o término do século XIX – lamparinas;
  • Término do século XIX até década de 1960 – lâmpadas incandescentes;
  • Décadas de 1960 e 70 – em alguns lugares utilizavam-se lâmpadas fluorescentes;
  • Década de 1980 – lâmpadas de vapor de mercúrio (brancas);
  • Década de 1990 – lâmpadas de vapor de sódio (amarelas);
  • Início do século XXI – lâmpadas de vapor metálico (brancas);
  • Dias atuais – lâmpadas LED.

A cada mudança de tecnologia, a qualidade da iluminação aumenta e diminuem-se os custos.

Atualmente, as lâmpadas LED estão sendo analisadas e implantadas por muitos municípios brasileiros, uma vez que apresentam uma relação custo x benefício muito melhor do que as outras opções.

Vantagens das luminárias LED

Luminárias LED nos municípios: quais as vantagens? - Quark Engenharia

Fonte: Prefeitura de Blumenau

As lâmpadas LED são extremamente eficientes nas vias públicas, bem como em monumentos e fachadas que querem ser valorizadas a noite.

Elas possuem vantagens que não se encontram em outras tecnologias de iluminação, isso em função de suas características.

As lâmpadas de LED apresentam os seguintes diferenciais:

  • São lâmpadas brancas frias, ou seja, possuem maior capacidade de produzir lúmens (unidade de medida para mensurar o fluxo luminoso de uma lâmpada);
  • Grande poder de iluminação;
  • Reduzem entre 50% e 90% o consumo de energia elétrica;
  • Transformam 80% da energia consumida em luz em vez de calor.

Por que os municípios migram para luminárias LED?

Além de todas as vantagens já apresentadas, existe ainda uma outra que é o grande motivador para que prefeituras e empresas terceirizadas prefiram as lâmpadas de LED, trata-se da vida útil dela.

Com uma vida útil muito superior em relação às outras tecnologias, a lâmpada LED pode chegar a 50.000 horas de funcionamento.

O brilho da lâmpada LED cairá com o tempo, perdendo o poder de iluminação, mas, isso só ocorre após 40.000 de trabalho, o que significa 15 anos de uso, com 8 horas de funcionamento por dia.

O exemplo do município de Itá (Santa Catarina)

Luminárias LED nos municípios: quais as vantagens? - Quark Engenharia

Fonte: Prefeitura de Itá

A cidade de Itá, na região oeste do estado de Santa Catarina, é apenas um dos exemplos de municípios que buscam a substituição da antiga tecnologia por lâmpadas LED.

Será a primeira cidade do estado a possuir toda a sua iluminação pública baseada em luminárias LED.

A previsão é de uma economia de aproximadamente 60% aos cofres públicos, além de uma iluminação mais adequada, tornando as áreas públicas mais seguras.

Diante de tantas vantagens, possivelmente, você queira também substituir a tecnologia da iluminação de sua casa ou empresa e, quem sabe, até sugerir a ideia ao município no qual reside.

A melhor opção é contar com a Quark Engenharia, uma empresa que conhece como ninguém as vantagens e aplicações para as luminárias LED.

Fontes:
Senado Federal
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

Luminárias LED nos municípios: quais as vantagens? - Quark Engenharia

A Quark Engenharia tem sua sede na cidade de Joinville, mas, desenvolve projetos em todo o Brasil.

Especializada na área de serviços técnicos em engenharia elétrica, a empresa oferece ao mercado soluções integradas, atendendo aos projetos que envolvam o segmento de energia.

São centenas de clientes que contam com a assessoria e serviços da empresa.

Isso devido ao seu reconhecimento em:

  • Projetos;
  • Iluminação pública;
  • Instalações elétricas;
  • Diagnóstico energético;
  • Laudos.

Conheça neste link todas as informações de contato da Quark Engenharia, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Madeira de Lei, a beleza natural em sua casa – Madeiras da Amazônia

Madeiras de Lei, a beleza natural em sua casa - Madeiras da Amazônia

Fonte: Madeiras da Amazônia

A beleza e os detalhes da madeira chamam a atenção e continuam, em pleno século XXI, sendo apreciados e admirados por muita gente.

No entanto, a madeira é um recurso finito e vem sendo alvo de exploração, chamando a atenção de autoridades e de movimentos ecológicos.

O problema encontrado está na devastação das florestas e na falta de cuidado com a natureza, que acaba refletindo nos rios, fauna e flora, inclusive de lugares distantes das florestas.

É comum ouvirmos que as chuvas, as variações do clima e as mudanças da natureza são efeitos do desmatamento e do descaso humano com o meio ambiente, especialmente, com as florestas.

Nesse post vamos mostrar que existem leis e normas para que a madeira possa ser utilizada sem prejudicar a natureza, bem como a sua beleza e diferença dentro da decoração e mobiliário da sua casa. Continue lendo e confira!

O que é madeira de lei?

A expressão madeira de lei surgiu na época em que o Brasil foi colônia de Portugal.

Naqueles tempos, os espanhóis costumavam entrar no Brasil para a extração de árvores, o que motivou a reação da corte portuguesa.

A coroa publicou uma lei proibindo o corte de árvores consideradas nobres, surgindo, assim, a expressão.

O nome madeira de lei foi dado para designar os tipos de árvores que só poderiam ser cortadas com a autorização da coroa portuguesa.

A primeira madeira de lei do país foi o pau-brasil.

No entanto, muitos afirmam que as madeiras de lei são consideradas aquelas que são duras, resistentes e de alto valor comercial.

Mas, o conceito correto para madeira de lei está associado àquelas extraídas das florestas e que cumprem a legislação e técnicas do manejo sustentável.

Madeiras de Lei, a beleza natural em sua casa - Madeiras da Amazônia

Fonte: ECO Brasília

O que é manejo sustentável?

Manejo florestal sustentável significa a administração da floresta com objetivos econômicos e sociais, sem prejuízo para o ecossistema.

O Decreto n.º 5.975 de 2006 esclarece que o manejo sustentável deve ser:

  • Economicamente viável;
  • Ecologicamente correto;
  • Socialmente justo.

O manejo sustentável, portanto, colabora efetivamente para a qualidade de vida, gerando riquezas, protegendo a natureza e atendendo as expectativas da sociedade.

Infelizmente, muitas pessoas não obedecem à Lei e continuam causando sérios prejuízos ao ecossistema e ao meio ambiente, mas existem também empresas e empreendedores responsáveis que desenvolvem projetos de qualidade na retirada de madeiras das nossas florestas.

O reflorestamento, onde são replantadas árvores nativas dos locais onde estão inseridas, bem como o cuidado com o ambiente, começa a se transformar em uma realidade em nosso país, na medida que mais empresas e pessoas promovem a preservação.

Madeiras de Lei, a beleza natural em sua casa - Madeiras da Amazônia

Fonte: Brasil Casas

Como escolher uma empresa que pratique o manejo sustentável das florestas?

Precisamos mudar alguns conceitos com relação a preservação da natureza e buscar no mercado produtos que atendam à legislação, nesse caso, empresas que apoiam e trabalham com madeiras provindas de florestas sustentáveis.

Sem perder a satisfação em possuir belos móveis e ambientes que utilizam a madeira, a aquisição de produtos sustentáveis colabora para a preservação do meio ambiente e incentiva aqueles que desenvolvem seus negócios com responsabilidade e visão de futuro.

Prestigiar empresas que cumprem com suas obrigações e, muito mais do que isso, estão envolvidas na proteção das nossas florestas é uma demonstração de responsabilidade social.

Assim trabalha a Madeiras da Amazônia, uma empresa que há 30 anos valoriza a sustentabilidade e participa efetivamente da preservação do meio ambiente.

Fontes:
Ministério do Meio Ambiente
Revista Superinteressante – Editora Abril

Madeiras de Lei, a beleza natural em sua casa - Madeiras da Amazônia

Com sede na cidade de Balneário Camboriú desde 2009, a Madeiras da Amazônia nasceu na região Amazônica há 30 anos.

É uma empresa familiar que desenvolve seus trabalhos de forma legal, visando a sustentabilidade da sociedade e do meio ambiente.

Atenta às tendências do mercado, a empresa trabalha no fornecimento das seguintes espécies de madeiras:

  • Itaúba;
  • Grapia;
  • Cambará;
  • Angelim;
  • Tatajuba
  • Pinus comum;
  • Pinus autoclave;

Atende a seus clientes em toda região, oferecendo matéria-prima e produtos, como:

  • Assoalho;
  • Deck;
  • Decoração;
  • Escada;
  • Forro;
  • Mesa;
  • Paredes;
  • Pergolado;
  • Telhado.

Além de atender ao mercado nacional, a Madeiras da Amazônia exporta seus produtos para os Estados, países da Europa, Oriente Médio e Ásia.

Os mercados do 1º mundo possuem sérias restrições com relação aos produtos que venham a prejudicar o meio ambiente, onde políticas e leis fazem exigências que apenas empresas comprometidas conseguem atender.

O diferencial da Madeiras da Amazônia permite que seus produtos cruzem o Atlântico e cheguem à América do Norte e outros continentes, exatamente por preencherem todos os requisitos exigidos pelos clientes dessas regiões.

Conheça neste link todas as informações de contato da Madeiras da Amazônia, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Cerâmica Porto Galera: Uma empresa Sustentável

Cerâmica Porto Galera: Uma empresa Sustentável

Fonte: Cerâmica Porto Galera

Há décadas o homem vem observando que não cuidou como devia do meio ambiente do lugar em que vive.

O fato é que o excesso de lixo, a poluição e o uso desequilibrado dos recursos naturais deixou o planeta doente e comprometido para as gerações futuras.

A sustentabilidade está entre os temas mais presentes entre estudantes, ativistas, autoridades e empresários.

Principalmente no meio empresarial, hoje é comum vermos empresas serem reconhecidas pelas suas boas ações quando o assunto é ecologia e meio ambiente.

Mas, no post de hoje queremos mostrar uma empresa que inovou: a Cerâmica Porto Galera.

É a primeira cerâmica de cerâmica vermelha do Brasil a usar 100% de energia solar.

Continue lendo nosso post e veja que história inspiradora!

A importância da sustentabilidade

A sustentabilidade é um conjunto de ações e atividades humanas que tem como objetivo suprir as necessidades gerais do homem (como direito ao uso de água potável, respirar ar limpo, etc.) sem comprometer os recursos naturais para as futuras gerações.

Participar dessas ações é dever de todos!

Toda a população pode diminuir sua produção de lixo, reciclar os resíduos produzidos, ajudar na redução da poluição e,, usar os recursos naturais de forma equilibrada, o mesmo deve acontecer dentro de uma empresa, é a sustentabilidade empresarial.

Pode-se definir a sustentabilidade empresarial como a somatória de ações e atividades exercidas pela empresa que visam o desenvolvimento sustentável dela.

São ações que preservam o meio ambiente, como, por exemplo, a produção da sua própria energia.

Além de tornar o meio ambiente mais sustentável, essas ações trazem uma maior educação ecológica para a comunidade em que a empresa está inserida.

Com essa consciência, a Cerâmica Porto Galera inovou e passou a ser a primeira cerâmica de cerâmica vermelha do Brasil a usar 100% de energia solar.

Cerâmica Porto Galera: Referência como empresa sustentável

Cerâmica Porto Galera: Uma empresa Sustentável

Fonte: Olho Vivo Can

Uma empresa sustentável é aquela que tem consciência dos impactos que suas atividades podem causar no meio ambiente e que, com isso, encontra maneiras para amenizá-los.

A Cerâmica Porto Galera tem como norma cumprir todas as exigências dos órgãos fiscalizadores ambientais em relação às suas atividades diárias, o que a torna uma empresa amiga da natureza.

Ela é modelo e exemplo dentro da comunidade em que está inserida, cuidando da sociedade em si, capacitando e valorizando seus funcionários e mostrando que é possível fazer diferente.

Foi com esse pensamento que, desde abril de 2019, a Cerâmica Porto Galera tornou-se a primeira cerâmica vermelha do país a produzir toda a sua energia por meio de fontes renováveis (o Sol).

Pioneira em instalação de placas solares

Cerâmica Porto Galera: Uma empresa Sustentável

Fonte: Olho Vivo Can

Pensando em deixar um planeta melhor para o futuro, a Cerâmica Porto Galera tem sua energia 100% produzida por meio da captação solar, um projeto pioneiro no Brasil.

O sistema de placas solares capta a radiação solar e transforma-a em energia limpa que é usada para abastecer toda a empresa.

Todo o excedente de energia produzido é devolvido para a concessionária e pode ser utilizado em caso de períodos com muita chuva, quando houver necessidade.

Quanto mais empresas e consumidores usarem a energia solar, menor será a necessidade de construção de novas hidrelétricas e consumo da água para geração de energia elétrica, o que é um avanço enorme na prevenção ao meio ambiente.

Assim trabalha a Cerâmica Porto Galera, uma empresa que valoriza a sustentabilidade e participa efetivamente da preservação do meio ambiente.

A Cerâmica Porto Galera é uma empresa que agrega valores por meio de trabalho e responsabilidade, participando ativamente do bem comum da comunidade em que está inserida e da preservação meio ambiente.

Visite a empresa e conheça o seu projeto pioneiro!

Fontes:
Sebrae
Olho Vivo Can

 

Cerâmica Porto Galera: Uma empresa Sustentável

 

A Cerâmica Porto Galera tem sua sede em Canelinha, cidade próxima da capital catarinense.

Atuando na área de construção civil, seu legado é trabalhar com responsabilidade, capacitando e valorizando seu quadro de funcionários para garantir alta qualidade nos produtos fabricados.

A alta qualidade é sinônimo de satisfação dos seus clientes.

A Cerâmica Porto Galera é uma empresa de valores: profissionalismo e eficiência em tudo o que produz e responsabilidade em tudo que faz.

A empresa alia a sua tradição no mercado com a tecnologia para oferecer o que há de melhor no segmento.

A Cerâmica Porto Galera oferece:

  • Tijolos à vista;
  • Blocos de vedação;
  • Elementos vazados;
  • Capas para muros e lajes;
  • Plaquetas para revestimentos cerâmicos;
  • Canaletas.

Conheça neste link todas as informações de contato da Cerâmica Porto Galera, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Crise hídrica no mundo: Saiba a realidade – Casa da Cisterna

Crise hídrica no mundo: Saiba a realidade - Casa da Cisterna

Uma matéria da Revista Exame, publicada no último dia 22 de março, Dia Mundial da Água, trouxe dados oficiais sobre a crise de acesso à água no mundo, apoiados em campanha da ONU “Água para todos: não deixar ninguém para trás”.

Listamos aqui alguns fatos importantes:

– O Planeta Terra possui mais de 70% de sua superfície coberta por água. Um fato contraditório considerando que três em cada dez pessoas ainda não têm acesso a uma fonte segura de água potável.

– A cada 20 segundos, uma criança morre de doenças causadas pelo consumo de água de má qualidade, e pela falta de higiene, ocasionada pela falta de água (sobretudo em países de terceiro mundo).

– A água é patrimônio declarado da humanidade, não podendo ser comercializada ou negada a nenhum ser humano. O que se paga às companhias de distribuição é o tratamento para torna-la potável para o consumo.

– Apesar de ser considerado um bem de todos, o direito à água limpa ainda é algo distante para muitos, visto que 80% do esgoto do mundo é despejado em rios, lagos e oceanos, sem nenhum tratamento para impedir a poluição.

– Menos de 1% da água do mundo se concentra nos rios e lagos para abastecer as cidades, e 80% de esgoto não tratado é depositado nesses rios e lagos, diminuindo ainda mais o acesso à água potável.

Crise hídrica no mundo: Saiba a realidade - Casa da Cisterna

Veja aqui dados ainda mais alarmantes sobre a crise hídrica mundial:

2,5%: é a porcentagem de água doce da Terra.

70%: a porcentagem dessa água doce que se concentra em geleiras calotas polares.

1%: a quantidade de água que está disponível em locais de fácil acesso, como rios e lagos.

2,1 bilhões: número de pessoas no mundo que não têm acesso a água potável.

1,9 bilhão: número de pessoas que vivem em áreas sob risco de escassez hídrica. Em 2050, serão 3 bilhões.

80%: é a porcentagem do total de pessoas sem acesso a fontes de água seguras e protegidas, que vivem em áreas rurais.

4 bilhões: o número de pessoas que sofrem escassez severa de água durante pelo menos um mês do ano.

68,5 milhões: quantidade de pessoas deslocadas por guerras, violência e perseguições e cujo acesso a serviços de água potável é altamente problemático.

1 em cada 4: número de escolas primárias que não têm água potável à disposição dos alunos.

1,7 milhão: número de pessoas que morrem todos os anos de doenças diarreicas e 90% são menores de 5 anos, principalmente em países mais pobres.

443 milhões de dias: tempo perdido de educação anual por conta de ausências de jovens e crianças nas escolas devido a doenças de veiculação hídrica provocadas pela falta de saneamento adequado.

8 em cada 10: é o número de domicílios em que mulheres e meninas são responsáveis ​​pela coleta de água, em países da África, Oriente Médio e Sudeste Asiático. Em média, 25% do dia é gasto nessa tarefa.

Se, por um lado, os que nunca enfrentaram uma crise hídrica tendem a descreditar tais fatos, por outro lado, as pessoas que já passaram por isso ou passam diariamente, pedem socorro. E mais que isso: a tendência é que todos esses números aumentem em um futuro próximo. Ações em massa, mundialmente abrangentes, são inadiáveis para retardar esse cenário.

Portanto, devemos cuidar da água!

Além do fator poluição, que requer ações governamentais urgentes, a população também pode fazer sua parte, evitando o desperdício. Seja por meio de atitudes simples, como diminuir o tempo de banho e manter a torneira desligada ao escovar os dentes e ensaboar a louça, seja adotando sistemas de aproveitamento de água de reuso e água da chuva, por exemplo.

Um sistema adequado de aproveitamento de água da chuva, com capacidade para armazenar 1.000 litros de água, já consegue preservar até 50 mil litros de água potável por ano.

Os meios para agir, já temos; o que ainda falta é a consciência.

Conheça neste link todas as informações de contato da Casa da Cisterna, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Energia Solar: sustentabilidade e retorno financeiro – Oliveira Energia Solar

Energia Solar: sustentabilidade e retorno financeiro - Oliveira Energia Solar

Fonte: Oliveira Energia Solar

Por ser renovável e inesgotável, cada vez mais se ouve falar do uso da energia solar.

Seu uso está em alta, quer seja para o consumo sustentável e cuidados com o planeta, ou para a economia financeira de famílias e empresários.

Existem formas diferentes de captar a energia solar para uso e uma delas é por meio das placas solares, ou do sistema fotovoltaico.

Esse sistema pode produzir energia suficiente para o funcionamento de uma casa, o que de imediato trará uma significativa redução no valor da conta da concessionária que abastece a residência.

Mas, muitas pessoas ainda pensam que a energia solar é muito difícil de ser implementada por ser custosa e ter um investimento muito alto.

Também há quem pense que a manutenção é muito cara e que o retorno não existe ou é demorado.

No nosso post, vamos mostrar que todos podem usar a energia solar, sem precisar de altíssimos investimentos, sem complicadas manutenções e com retorno do valor investido mais rápido do que se pensa. Ficou interessado? Continue lendo!

Sobre as placas solares

Energia Solar: sustentabilidade e retorno financeiro - Oliveira Energia Solar

Fonte: Oliveira Energia Solar

As placas solares têm vários outros nomes:

  • painel solar,
  • placa de luz solar,
  • painel solar fotovoltaico.

Esses painéis são dispositivos que captam a energia do Sol e convertem em energia elétrica para uso no ambiente em que elas estão instaladas.

As placas geralmente são instaladas nos telhados dos imóveis, podendo ainda serem colocadas nos mais diversos lugares, até mesmo no solo.

Embora sejam práticas é preciso contar com a orientação de um profissional para o projeto e instalação, para que tudo funcione corretamente.

Como elas funcionam

Os painéis solares instalados no telhado captam a energia do Sol e todo o processo acontece por meio do chamado efeito fotovoltaico.

A energia do Sol captada pelas placas é levada até o inversor.

Esse equipamento é o agente responsável em fazer a conversão da energia solar captada, levando-a para a rede elétrica.

Dessa forma, ela fica disponível para o uso dos moradores da casa, diminuindo até 95% do valor na conta da energia elétrica paga para a concessionária.

Economia e sustentabilidade

Energia Solar: sustentabilidade e retorno financeiro - Oliveira Energia Solar

Fonte: Notícias e Negócios

A economia que as placas solares promovem tem dois papéis fundamentais:

Ajuda na sustentabilidade do planeta e na diminuição do valor da conta paga mensalmente para a concessionária responsável pela distribuição de energia elétrica da sua cidade.

Por isso, a instalação dessas placas é um dos investimentos mais viáveis no momento e em pouco tempo se percebe a economia gerada.

Facilidade e praticidade na manutenção

A manutenção das placas solares, bem como dos demais equipamentos que compõem o sistema, é fácil e prática.

Assim como as telhas, as calçadas e os toldos, as placas solares também juntam poeira e parecem estar velhas, mesmo que não sejam.

O ideal é sempre que você perceber ausência de chuvas por longo período ou que sua placa está com poeira acumulada, providenciar uma lavação dela, para que não haja interferência na captação da energia do Sol.

O processo de limpeza é prático e, na maioria das vezes, basta apenas um pano e água, mais ou menos a cada 4 meses. Se a sujeira estiver muito difícil para ser retirada, pode ser usada uma escova de cerdas macias.

Cuidado, nunca use qualquer produto abrasivo!

Pequenos cuidados garantem a durabilidade

As placas solares são altamente duráveis e com pequenos cuidados é possível manter a vida útil delas.

Alguns fabricantes chegam a dar entre dez e doze anos de garantia para as placas e cinco para os inversores.

Se na região em que a placa estiver instalada tiver a presença constante de pássaros, principalmente os pombos, é preciso ficar atento, uma vez que eles podem levar excessos de outras sujeiras para o local.

Se a placa for instalada em imóvel localizado na praia, por exemplo, há no mercado um produto específico, de preço bem acessível, para usar na proteção das placas contra a oxidação.

Como você pôde observar a manutenção é fácil e prática e com esses cuidados simples todo o sistema tem uma vida útil e longa.

O retorno do investimento é garantido

Quem investe em energia solar está valorizando o seu imóvel, uma vez que imóveis sustentáveis são bem procurados e valorizados no mercado imobiliário.

Também, ao investir em energia solar, você está comprando um ativo de alto retorno.

O rendimento de um investimento em energia solar é mais alto que o da renda fixa, com isso, em pouco tempo o retorno é garantido.

Agora que você descobriu que energia solar é possível para você também, acesse a página da Oliveira Energia Solar & Eólica e economize até 95% na sua conta de luz.

Fontes:
Oliveira Energia Solar
Abril Exame

Energia Solar: sustentabilidade e retorno financeiro - Oliveira Energia Solar

A Oliveira Energia Solar & Eólica atua no mercado há 27 anos. Sua sede é no município de Garopaba, no litoral sul do estado de Santa Catarina.

Em 1992, no surgimento da empresa, ela atuava apenas no ramo de monitoramento eletrônico de alarmes 24h com serviços de viaturas próprias.

Com o passar do tempo, com o sucesso do empreendimento e com a moderna tecnologia, a Oliveira Energia Solar & Eólica ampliou sua rede de atuação no mercado.

Hoje a empresa atua na área de energias renováveis, com sistemas de energia solar fotovoltaica e eólica, oferecendo aos clientes serviços e produtos de alta qualidade e garantia de satisfação.

Conheça neste link todas as informações de contato da Oliveira Energia Solar & Eólica, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Rodrigues

Bloco Cerâmico ou de Concreto, qual é a melhor opção? – TupiGuarani

Bloco Cerâmico ou de Concreto, qual é a melhor opção? - TupiGuarani

Durante a realização de um Projeto de Construção Civil, é necessária a análise de diversos fatores. Na parte Estrutural do projeto, surgem muitas dúvidas, principalmente na escolha dos materiais que serão utilizados. As opções mais populares, neste caso, são o bloco cerâmico e o bloco de concreto. Para saber qual é o ideal para você, continue lendo.

Os fatores que devem ser levados em conta são a resistência, a segurança e a durabilidade. Nas estruturas, a preferência é pelos materiais de maior resistência, que exigem menores esforços e gastos de manutenção.

Cada material tem um ciclo de vida diferente, com prazos específicos para sua aplicação. Materiais como cimento, concreto e areia, geralmente, são comprados antes do início da obra. Isso evita a queda de eficiência, principalmente devido ao empedramento.

O bloco para alvenaria estrutural é outro elemento importantíssimo, pois, ele define a resistência da estrutura e a coordenação modular dos projetos. Como já foi dito, na construção civil, o bloco de concreto e o bloco cerâmico são os mais utilizados.

Os modelos de blocos variam em tamanho, disposição dos furos e textura, além das propriedades físicas e mecânicas. E para avaliar os aspectos ambientais e os potenciais impactos associados ao ciclo de vida desses materiais, é realizada Avaliação do Ciclo de Vida (ACV).

Bloco Cerâmico ou de Concreto, qual é a melhor opção? - TupiGuarani

Importância da Avaliação do Ciclo de Vida em seu projeto

A ACV avalia produtos, processos ou serviços desde a extração de matérias-primas, passando pelas etapas de transporte, produção, distribuição e utilização até seu descarte final.

Além disso, a Avaliação do Ciclo de Vida também ajuda na identificação de possíveis melhorias ao longo do ciclo de vida do produto e no fornecimento de dados ambientais complementares e informações úteis para as tomadas de decisão.

O setor de cerâmica vermelha foi o primeiro, em toda a cadeia da construção civil brasileira, a se dedicar ao estudo completo do impacto ambiental do ciclo de vida de seus produtos e a publicá-lo.

Sendo que a canadense Quantis foi a escolhida para desenvolver o estudo. Através dos métodos utilizados, foi possível reafirmar as principais vantagens destes produtos naturais e identificar aspectos que podem evoluir na sua produção.

Para ajudar o consumidor a escolher o produto que menos agride o meio ambiente, foi realizada a ACV dos produtos cerâmicos em comparação aos equivalentes de concreto. Confira os resultados desse estudo a seguir.

Resultados da ACV dos Blocos Estruturais

Segundo os estudos realizados pela Quantis, as paredes que utilizam o bloco cerâmico têm menos impacto nas Mudanças Climáticas do que seus equivalentes de concreto. Veja o por quê.

A emissão de gases de efeito estufa de 1m² parede de blocos cerâmicos é de aproximadamente 50% do m² em bloco de concreto e cerca de 34% de 1m² de parede de concreto moldado in loco.

Isso acontece, principalmente pelo fato de que o bloco cerâmico utiliza, em sua fabricação, fontes de energia renovável, como cavaco de madeira e biomassas descartadas pelas indústrias, ajudando a limpar o meio ambiente, com a redução das emissões de metano.

As paredes de blocos cerâmicos impactam menos nos esgotamento de recursos naturais não renováveis. Elas consomem 43% menos destes recursos que uma parede de bloco de concreto e por volta de 63% menos do que é consumido por uma parede de concreto armado moldado in loco.

Outro dado importante fornecido por este estudo é de que 1m² de parede feita de blocos cerâmicos necessita de 24% menos água que 1m² de parede de blocos de concreto e 7% menos do que a parede de concreto moldado in loco. No caso da parede cerâmica, o consumo de água deve-se sobretudo à utilização da argamassa e não ao blocos.

Podemos concluir, definitivamente, que o bloco cerâmico é a melhor opção em um Projeto de Construção Civil. Sabendo disso, a TupiGuarani, empresa que está há 50 anos no mercado, vem se especializando em produzir blocos cerâmicos de qualidade, com baixo custo e satisfação para os clientes.

Fontes:
Anicer

Mapa da Obra
Atex Brasil

 

Bloco Cerâmico ou de Concreto, qual é a melhor opção? - TupiGuarani

Contando com uma equipe de 120 colaboradores, a empresa vem crescendo e ampliando o seu mercado no sul do Brasil, fruto de muito trabalho, dedicação e compromisso, além da confiança depositada pelos seus clientes.

Com duas unidades fabris e um centro de distribuição no oeste catarinense, a empresa atende toda a região sul do Brasil, com uma produção de mais de 6 milhões de peças por mês, possuindo processos com tecnologia de ponta e uma equipe de engenheiros e técnicos qualificados.

Conheça neste link todas as informações de contato da TupiGuarani, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Felipe Nascimento

Água da Chuva no Verão: Saiba os Benefícios – Casa da Cisterna

Água da Chuva no Verão: Saiba os Benefícios - Casa da Cisterna

Com a chegada do calor, o consumo de água nas cidades aumenta naturalmente, de acordo com as necessidades da população. Alguns fatores que contribuem para este aumento são as duchas, piscinas e banheiras, atividades de limpeza, além do consumo humano, que também é maior no verão.

No entanto, nem sempre o fornecimento de água tratada da cidade consegue acompanhar esse crescimento na demanda, e assim ocorre a falta de água.

Essa situação de falta de água é ainda mais acentuada em cidades do litoral, onde a estadia de milhões de turistas que chegam para aproveitar a praia faz com que o consumo de água tratada aumente exponencialmente durante a “temporada”.

Os que costumam rumar ou fazem residência em cidades litorâneas, certamente já passaram por experiência similar.

Apesar de parecer um problema de difícil solução (pois depende muito da quantidade de água disponível e da empresa fornecedora de água), existem outras alternativas que são muito simples e eficientes, como o uso de ÁGUA DA CHUVA.

A Água da Chuva é indicada para diversas aplicações, como:

  • Completar a água da piscina;
  • Lavar cadeiras de praia;
  • Lavar pisos, calçadas e carros;
  • Atividades de jardim;
  • Atividades de limpeza em geral;
  • Descargas sanitárias e outros.

Se cada residência, prédio e demais edificações possuírem um sistema de aproveitamento de água da chuva para tais atividades, a água potável será destinada apenas ao consumo humano, prevenindo problemas de escassez.

Para isso, basta uma Cisterna, filtros e um sistema de calhas. A instalação é simples, e os produtos de longa duração.

A economia é certa! Com uma cisterna de apenas 1000L é possível economizar até 50 mil litros de água potável por ano. Além de poupar a água tratada e cuidar do meio ambiente, é possível economizar também na conta de água no fim do mês.

Além disso, o uso de Cisternas em massa pela população também ajuda a prevenir possíveis enchentes nas cidades, causadas por fortes chuvas, sobretudo no verão.

Isso acontece porque grande parte da água que seria depositada no chão impermeabilizado, passa a ser armazenada no interior das cisternas. Quanto mais recipientes de armazenamento, menor a quantidade de água no chão, auxiliando a prevenção de enchentes.

Só depende de você!

Visite a Casa da Cisterna, e conheça nossos produtos.

Conheça neste link todas as informações de contato da Casa da Cisterna, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

O que você precisa saber sobre a Água da Chuva – Casa da Cisterna

O que você precisa saber sobre a Água da Chuva – Casa da Cisterna

A Água da Chuva vem sendo cada vez mais utilizada como uma alternativa na preservação de água potável. Sabe-se que, de toda água existente no planeta Terra, menos de 1% está disponível nos rios e lagos para abastecer as cidades. Por isso, o uso de água da chuva é uma opção eficiente para evitar a falta de água tratada.

A água da chuva não é indicada para consumo humano, porém pode ser utilizada em diversas outras atividades, tanto nas empresas e indústrias, quanto nas residências.

Como usar a água da chuva?

Para que a água da chuva possa ser aproveitada, deve primeiro ser armazenada corretamente em recipientes próprios para isso, as Cisternas.

São produtos de alta durabilidade, já equipados com proteção UV e antimicrobiana, o que impede a proliferação de fungos e outros organismos danosos, mantendo a água em condições de uso.

Com isso, ela pode ser aplicada em atividades do dia a dia, como:

  • Lavar calçadas, pisos e carros;
  • Lavagem de roupas e banheiros;
  • Regar plantas e atividades de jardim;
  • Nas descargas sanitárias;
  • Para dar de beber e dar banho em animais;
  • Proteção contra incêndios;
  • No enxágue e resfriamento de peças, para indústrias;
  • Para encher lagos e piscinas (recomendado utilizar até 1/3 de água da chuva);
  • Atividades de limpeza em geral.

Ao desempenhar tais atividades com água da chuva, a água potável e tratada é reservada apenas para o consumo humano, ajudando a prevenir a escassez e os problemas gerados pela falta de água. Além disso, traz economia na conta de água ao fim do mês.

Conheça neste link todas as informações de contato da Casa da Cisterna, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Fibertim: Corrosão – O problema tem solução

ebgesc

Estudos confirmam que a corrosão é um dos grandes problemas nas indústrias ao redor do mundo.

E, as estatísticas mostram que bilhões de dólares são usados anualmente na tentativa de sanar os problemas e recuperar os prejuízos causados por ela.

Graças a tecnologia, hoje já é possível tratar e prevenir a corrosão com produtos altamente eficazes e sem prejuízo ao meio ambiente.

No nosso post, falaremos sobre a corrosão, sua ação e o tratamento com anticorrosivos voltados para a indústria que utiliza em seu processo qualquer tipo de produto químico. Leia mais!

O que é corrosão?

Para falarmos de cuidados anticorrosão, primeiramente precisamos entender o que é corrosão, para depois combatê-la ou cuidar dela.

Corrosão trata-se de um termo químico para designar o desgaste gradual de um corpo ou objeto qualquer que sofre uma transformação química e/ou física em relação ao meio em que está inserido.

A corrosão pode causar a destruição total, parcial, superficial ou estrutural do material atingido.

Para entendermos melhor, um exemplo bem comum de corrosão é a ferrugem presente nas estruturas de ferro.

A corrosão em outros materiais

Além da conhecida ferrugem nos ferros, a corrosão atinge outros materiais, tais como:

  • Polímeros (plásticos),
  • Estruturas de concreto armado.

Assim, a corrosão é classificada em três categorias, que são:

Eletroquímica: é o tipo mais comum de corrosão e a ferrugem é o exemplo mais fácil e básico para entendermos. Geralmente acontece com a ação da água.

ebgesc

Fonte: Brasil Escola

Eletrolítica: a corrosão eletrolítica acontece por falta do chamado isolamento ou o aterramento e por isso formam-se as correntes de fuga.

Quando essas correntes escapam para o solo, formam-se então os furos nas áreas afetadas.

Geralmente elas são comuns em tubulações de água e de petróleo, ou ainda em canos telefônicos ou de postos de gasolina.

ebgesc

Fonte: Brasil Escola

A corrosão química

A corrosão química é causada por algum agente químico que age diretamente no material.

Esse material pode ou não ser um metal e não há necessidade da presença da água.

Geralmente são causados por solventes ou agentes oxidantes, podendo quebrar as macromoléculas dos materiais, danificando-os muitas vezes por completo.

Os chamados agentes poluentes também são causadores da corrosão química e estes agem quase sempre nos concretos armados de construções.

A corrosão química é também chamada de corrosão seca, porque acontece pelo ataque de um agente químico diretamente no material, sem a presença da água.

ebgesc

Fonte: Brasil Escola

Os locais mais atingidos pela corrosão química

Várias são as empresas que sofrem a ação da corrosão química, entre elas citamos as papeleiras, prestadoras de serviço terceirizado de tratamento de resíduos e efluentes industriais, além das indústrias químicas e de beneficiamento têxtil, entre outras.

E isso acontece porque essas empresas geralmente passam por etapas de processo químico na sua linha de produção e, por isso, sofrem a ameaça da corrosão em seus patrimônios, desde as estruturas aos demais equipamentos.

É necessário combater a corrosão

Tanto para economizar como para investir na segurança, as empresas estão se preocupando sobre o fator corrosão e buscando soluções para tratar ou prevenir esse mal.

E, com a tecnologia hoje existem produtos no mercado que contribuem para que as empresas consigam sanar o problema, principalmente por meio dos revestimentos anticorrosivos.

Produtos de alta qualidade que agem como revestimentos evitando o contato da estrutura com qualquer agente danoso que possa vir a causar a corrosão.

Com este tipo de revestimento, as empresas têm a certeza de que terão um aumento considerável da vida útil de seus equipamentos e estruturas e não haverá a necessidade constante de reparos e manutenções.

O uso dos anticorrosivos

Como já dissemos, hoje existem alternativas muito eficazes para o combate à corrosão e entre elas está a aplicação do revestimento com PU Vegetal ou Fibra de Vidro.

Esse revestimento tem a função de proteger a parte vulnerável da sua empresa.

O tratamento e os revestimentos anticorrosivos podem ser aplicados em pisos industriais e diversas estruturas que ficam em contato com produtos químicos do tipo ácido clorídrico, ácido sulfúrico 98%, ácido fluorsilícico, cloreto férrico, cloreto zinco, cloreto cobre, cloreto ferroso, policloreto de alumínio, cloreto de sódio e hipoclorito de sódio.

Esses produtos são fabricados para não causar impacto ambiental, além de proporcionar a impermeabilidade e aderência onde for aplicado.

A FIBERTIM Soluções oferece a aplicação dessa resina para impedir a corrosão da sua obra, seja ela de cimento, plástico, metal ou até mesmo nos pisos.

Entre em contato para saber como você pode impedir a corrosão de forma efetiva!

Fontes:
Brasil Escola
Imperveg Poliuretano Vegetal
Diário do Comércio

ebgesc

A FIBERTIM está localizada em Timbó e tem como objetivo a prestação de serviços com qualidade.

Especializada na aplicação de revestimentos anticorrosivos e na fabricação de produtos em plásticos de engenharia.

O diferencial da FIBERTIM está em sempre buscar a inovação, qualidade e satisfação do cliente, investindo em novas tecnologias e no aperfeiçoamento da sua mão-de-obra.

Oferece e comercializa seus produtos para todas as regiões no Brasil!

Conheça neste link todas as informações de contato da FIBERTIM Soluções, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Cisternas: Da falta de água à redução de alagamentos – Casa da Cisterna

ebgesc

Uma das formas mais eficientes de se preservar a água potável para o consumo é aproveitar a água da chuva, que pode ser utilizada em inúmeras atividades, como: limpeza de áreas externas e veículos, regar plantas, descargas sanitárias, piscinas, para lavar roupas, etc.

Esse aproveitamento é feito com o uso de Cisternas, que são recipientes próprios para armazenar a água e mantê-la em condições de uso.

ebgesc

Armazenar a água da chuva é uma atitude ainda mais urgente em locais onde há frequência de falta de água tratada, fornecida pela rede de abastecimento. Isso porque usar água da chuva diminui o uso dessa água tratada, evitando assim que acabe faltando.

 

Redução de enchentes

O que pouco se sabe é que, além de a água da chuva poder ser aproveitada em diversas atividades, seu armazenamento ajuda também na diminuição de enchentes nas cidades.

As enchentes ocorrem por diversos fatores: rios próximos, quantidade de chuva, excesso de lixo nas redes de escoamento de água, e a impermeabilização do solo. É nesse último fator que o uso de Cisternas entra como benefício.

ebgesc

As construções de concreto, asfaltos, prédios, etc., impedem que a água da chuva encontre o solo e seja absorvida pela terra, ficando assim acumulada na superfície. Dependendo da quantidade de chuva, os escoadores (chamados de bocas de lobo) não são suficientes para reter toda essa água, principalmente se estiverem cheios de lixo, o que é comum nas áreas urbanas.

ebgesc

No entanto, se cada residência, prédio e demais edificações tivessem um sistema de armazenamento para a chuva, a quantidade de água depositada nesse chão impermeabilizado seria drasticamente reduzida, prevenindo assim a ocorrência de grande parte dos alagamentos e grandes poças. Outra vantagem é que, depois, essa água armazenada pode ainda ser aproveitada, poupando a água potável e trazendo economia na conta de água de cada um.

Bem se vê que as vantagens em se aproveitar a água da chuva são muitas!

Conheça neste link todas as informações de contato da Casa da Cisterna, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.